Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil

A medida foi autorizada pela Anvisa

REUTERS/Dado Ruvic

REUTERS/Dado Ruvic

A farmac√™utica AstraZeneca retoma hoje os testes da vacina contra a covid-19, conhecida como vacina de Oxford, no Brasil. O sinal verde foi dado pela Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa). Em testes também em outros países, as vacina√ß√Ķes na fase 3 do estudo foram suspensas na última ter√ßa-feira (8) devido a uma rea√ß√£o relatada por uma volunt√°ria no Reino Unido.

No último s√°bado (12) especialistas da Anvisa se reuniram para avaliar as informa√ß√Ķes recebidas da ag√™ncia reguladora brit√Ęnica (Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency - MHRA), do Comit√™ Independente de Seguran√ßa do estudo clínico e da empresa patrocinadora do estudo, a AstraZeneca. "Após avaliar os dados do evento adverso, sua causalidade e o conjunto de dados de seguran√ßa gerados no estudo, a ag√™ncia concluiu que a rela√ß√£o benefício/risco se mantém favor√°vel e, por isso, o estudo poder√° ser retomado", disse a ag√™ncia em comunicado.

Na nota a Anvisa acrescenta que continuar√° acompanhando todos os eventos adversos observados durante o estudo e, caso seja identificada qualquer situa√ß√£o grave com volunt√°rios brasileiros, ir√° tomar as medidas cabíveis para garantir a seguran√ßa dos participantes.

Contrato

Na semana passada a Funda√ß√£o Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou o contrato de Encomenda Tecnológica (Etec) com a AstraZeneca. A Etec garante ao Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) o acesso a 100,4 milh√Ķes de doses do Ingrediente Farmac√™utico Ativo (IFA) para o processamento final (formula√ß√£o, envase, rotulagem e embalagem) e controle de qualidade, ao mesmo tempo em que garante à Fiocruz a transfer√™ncia total da tecnologia. A produ√ß√£o da vacina, denominada ChAdOx1 nCoV-19, est√° sendo viabilizada pela MP 994/20, publicada em 7 de agosto, que abre crédito extraordin√°rio de R$1,9 bilh√£o para o Ministério da Saúde.

Antes da suspens√£o dos testes, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, disse em v√°rias oportunidades que as primeiras doses devem chegar em janeiro de 2021. A estimativa é de que a segunda dose seja disponibilizada no segundo semestre do próximo ano.

Outras vacinas

Além da vacina de Oxford, est√£o sendo feitos ensaios clínicos no Brasil da CoronaVac, produzida pelo laboratório chin√™s Sinovac Biontech, e de uma imuniza√ß√£o desenvolvida pelas farmac√™uticas Pfizer e BioNTech.