Anvisa autoriza importação de 6 milhões de doses da CoronaVac

Pedido de importação foi feito pelo Instituto Butantan

A Ag√™ncia Nacional de Vigil√Ęncia Sanit√°ria (Anvisa) autorizou nesta sexta-feira (23) a importa√ß√£o de 6 milh√Ķes de doses da CoronaVac, vacina produzida pela farmac√™utica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

A licen√ßa, por enquanto, é apenas para importa√ß√£o do imunizante. A distribui√ß√£o das doses, ainda sem registro, depende de autoriza√ß√£o da própria Anvisa. O pedido de importa√ß√£o em car√°ter excepcional foi feito pelo Instituto Butantan.

Testes clínicos

A CoronaVac est√° na terceira fase de testes clínicos. Atualmente, 9.039 volunt√°rios participam dos estudos clínicos da vacina, feitos com profissionais da √°rea da saúde de sete estados.

Como a Anvisa j√° havia aprovado a amplia√ß√£o do estudo para 13 mil volunt√°rios, o governo paulista decidiu ampliar o número de centros de pesquisa. Na fase atual, metade dos participantes recebe a vacina e a outra metade, placebo.

Caso a última etapa de testes comprove a efic√°cia da vacina, o acordo entre a Sinovac e o Butantan prev√™ a transfer√™ncia de tecnologia para produ√ß√£o do imunizante no Brasil.

Efic√°cia

Para comprovar a efic√°cia da vacina, é preciso que pelo menos 61 participantes do estudo, que tomaram placebo, sejam contaminados pelo vírus. A partir dessa amostragem, é feita ent√£o uma compara√ß√£o com o total dos que receberam a vacina e, eventualmente, também tiveram diagnóstico positivo da covid-19.

Se o imunizante atingir os índices necess√°rios de efic√°cia e seguran√ßa, ser√° submetido a uma avalia√ß√£o da Anvisa para registro e só ent√£o a vacina estaria liberada para aplica√ß√£o na popula√ß√£o.